Teoria do Chaves – Nostalgia

O seriado mexicano “Chaves” fez parte da infância de muitos de nós e ainda encanta as crianças desta geração. O humorístico possui seguidores nas mais diversas partes do mundo, sendo o Brasil um dos países com maior público. Um dos motivos do seu grande sucesso é seu texto que, incrivelmente, se mantém bastante atual, fora as atuações dos atores que deram vida aos personagens cativantes da turma.
O que certamente você não sabia, tampouco desconfiava, era que alguns fatos bizarros permeiam o universo aparentemente inocente do programa. Teoria da conspiração ou não, saiba o que há por trás do Chaves.

Teoria do MEDO (#10)

Não fugir, e sim ultrapassar

A ordem é não fugir, mas ultrapassar. Há uma pedra em nosso caminho? Não amos mudar de caminho, não vamos desistir, voltar atrás, mas vamos dar a voltar por cima. As pedras são a fortaleza do caminho, mostram que ele será consistente. O importante é trabalhar com a nossa pedra e não nos deixar
esmagar por ela. Nesta pedra, pode estar a chave do nosso tesouro. A pedra de tropeço pode ser a pedra decisiva para a nossa construção. Avaliemos as pedras, os sofrimentos, os medos, os tropeços. Tudo tem um sentido, tudo conserva uma força uma esperança.

Senhor,
sei que teu poder tem-me conservado
em segurança há muito tempo.
E sei que me conduzirás ainda,
mesmo por rochas e precipícios,
montanhas e desertos,
até que termine a noite.
John Henry Newman

Não tenhamos medo: Deus nos leva no colo

Parece que, quando nós mais precisamos de Deus, ele está escondido e distante. Onde está o Pai nessa hora que o filho mais precisa dele? A célebre história das pegadas diz assim:
“Pai, enquanto eu andava, deixava pegadas na areia e, olhando para trás, via sempre quatro pegadas, as minhas ao lado das tuas. Mas nos maiores sofrimentos da minha vida, passei a ver apenas duas pegadas. Onde tu estavas, Deus, quando eu mais precisava de ti?” E Deus respondeu: “Só vias duas pegadas, e eram as minhas, porque eu estava te carregando no colo”. É assim mesmo. Nas piores horas, Deus vem em nosso socorro. Por isso, rezemos sempre, pedindo proteção na hora do medo e sabedoria para lidar com as dificuldades. E quando não suportarmos a dor, quando nos sentirmos totalmente extenuados, peçamos a Deus que nos carregue no colo e confiemos em seu amor de Pai.

O medo sempre se oculta
na angústia de perfeição.
Encarar seus medos e permitir a si
próprio o direito de ser “humano”
pode fazer de você uma pessoa
muitíssimo mais feliz e fecunda.
D. Burns

Teoria do MEDO (#9)

Em Deus está o nosso amparo

Senhor meu Deus, a ti elevo a minha alma. Em ti confio, meu Deus.
Mostra-me as tuas veredas.
Senhor, não te lembres de meus desvios e perdoa meus pecados, que são muitos. Volta-te para mim, tem piedade de mim, pois estou solitário e infeliz.
Alivia as angústias do meu coração, tira-me das minhas aflições. Guarda-me a vida! Liberta-me!
Que eu não fique envergonhado por ter buscado em ti o meu amparo Amém. (cf. S1 25)

Não tenhamos medo de ser bons

Jesus contou esta parábola: ” O Reino do céu é como uma semente de mostarda que um homem pega e semeia no seu campo. Embora ela seja a menor de todas as sementes, quando cresce, fica maior do que as outras plantas. E se torna uma árvore, de modo que os pássaros do céu vêm e fazer ninhos em seus ramos” (Mt 13,31-32)

Não tenhamos medo de sermos bons, de sermos sombra, aconchego para o irmão. Tudo o que fazemos para o irmão é para Deus que fazemos. E como a bondade de Deus é muito superior à nossa, ele nos retribuirá cinqüenta, cem, mil vezes mais. Não tenhamos medo de sermos excessivamente bons, compreensivos, generosos. Mesmo que façamos o máximo, sempre Deus irá superar-nos. Nunca chegaremos sequer a nos aproximar de Deus em bondade.

Teoria do MEDO (#8)

A vida está no mais profundo

Na vida, quase sempre consideramos importante aquilo que temos, o que fazemos, o quanto conseguimos conquistar. Acabamos considerando e avaliando as pessoas pelo que têm, e não pelo que são. E temos medo de sermos avaliados da mesma maneira.
Mas não é possível que a vida se resuma a apenas isso. Existe algo mais profundo, que dá brilho ao brilho, que dá vida à vida: é o Espírito, aquela força que vem de dentro, que faz a diferença.
A vida ensina que existe a algo mais além do fazer, do realizar, do aparecer, do brilhar.
As coisas verdadeiramente sublimes da vida, as que fazem brilhar os olhos e sorrir os lábios não podem ser comparadas com dinheiro, prestígio; Deus nos pode dar. E ele não só nos dá, ele nos oferece, basta que peçamos.
Enviar, Senhor, o teu Espírito, pois somos fracos, pores, ignorantes e não sabemos o que nos convém. Senhor, só tu és a nossa força e o verdadeiro sentido da nossa vida.

Nós temos a esperança-certeza

A morte, a dor, a solidão, tudo está vencida. Nós vivemos na esperança, e não é apenas um vaga esperança de que cedo ou tarde as coisas irão ajeitar-se.
Não, nós temos a certeza do triunfo de Cristo, que já pagou por nós. ele, com a sua ressurreição, venceu a morte e tudo o que conduz à morte.
Nós podemos sofrer, e saber sofrer é bom, porque o sofrimento nos amadurece. Mas soframos com serenidade, de cabeça erguida, porque já temos a certeza da vitória.

Lutar na indecisão é duro,
mas lutar tendo de antemão
a absoluta certeza da vitória
faz da luta uma manifestação
do poder de Deus e
do seu amor para conosco.

Teoria do MEDO (#7)

Só em Deus somos livres do medo

Dois componentes são extremamente necessários para nos libertar do medo em profundidade.
Primeiramente, é necessário estarmos em Deus, pois, como diz são Paulo, lá onde há o espírito de Deus, há também a liberdade… Só em Deus seremos plenamente livres.
A segunda necessidade é decorrente da primeira. Se Deus está em nós, ele nos ama.
É, portanto, esse, amor de Deus que gera em nós toda a certeza, toda a segurança, toda a coragem, toda a capacidade de retribuir ao outro o amor que ele nos doou primeiro, sem reservas ou medo.
Amando, doando-nos, libertamo-nos do medo, pois sabemos que o Pai aprova nossos atos, que tudo que fazemos deriva dele e da lei máxima do amor.
Feliz é quem sabe doar-se desinteressadamente e consegue gerar nos outros amor libertador.

Quem sou? O que quero da vida?

Tudo parece confuso, sem unidade, sem centro de convergência.
Sou uma pessoa dispersiva; hoje, quero amanhã, já não quero.
O que eu verdadeiramente quero eu mesmo não sei.
O que busco? O que espero? Quais são os meus planos?
Estou tão deprimido, não vejo saídas.
Tudo me atemoriza, tudo me aflige, Estou perdido na vida…
Mas vejo uma saída: Deus é meu Pai.
Ele me conhece, ele me ama.
Ele me deu a vida. Sou dele; isso me basta.

O medo nunca está no perigo,
mas em nós.
(Stendhal)

Pessoas terrivelmente ajustadas

A pessoa ajustada a uma disciplina, a uma estrutura está sempre defensiva, pois é movida pelo medo. Essas pessoas abafaram em si o direito de errar, de rir escancaradamente, de dar uma bola fora, de parecer diferente. Quem manda nessas pessoas é o respeito ou o temor profundo à estrutura.
A lei e a ordem são boas, mas não será a lei que nos irá libertar, mas sim o amor.

Somos felizes e não tememos, pois temos fé

Feliz é a pessoa que encontrou Cristo e a ele entregou a sua vida por amor. Com Cristo, estamos salvos. Com ele, não existe mais medo.
O futuro não nos amedronta, pois não somos nós que estamos realizando a nossa salvação, mas ele já a conquistou por nós. O passado não nos angustia, pois o entregamos à sua misericórdia redentora.
O presente não nos aflige, pois o vivemos no amor da sua graça.
O futuro está nas mãos dele. Ele está conosco e, nos momentos difíceis, carrega-nos nos braços como o pai carrega seu filhinho.

Se o homem carrega
a sua própria lanterna,
não precisa ter medo do escuro.
(Máxima judaica)

Copyright © 2015 Blog Tediado | No ar deste 11/03/2011 das 14:32 | Política de Privacidade